FELIPE, ex-ponta direita do Comercial de Cornélio Procópio e A.A. Astorga

José Fellipe de Moraes, nasceu no dia 26 de outubro de 1939 na cidade de Palmital, no Estado de São Paulo.

Esta é uma figurinha do álbum craks do Paraná do ano de 1959 onde Felipe estava no Comercial, Felipe guarda até hoje este álbum de recordação e emprestou seu acervo para o arquivo do site www.historiadordofutebol.com.br


Veio ainda menino com a família para Cornélio Procópio, no Paraná.


Começou sua carreira no futebol no infantil do Quinzópolis em Santa Mariana com o técnico Dinho, passando pelas equipes amadoras do Colégio Castro Alves, no time da Ferrovia e no Guarani E.C., ambas de Cornélio Procópio, e após isso foi para o Esporte Clube Comercial, e posteriormente foi jogar em 1960 na Associação Atlética de Astorga.

 

Abaixo o Time do Quinzópolis de Santa Mariana de 1952

 

 

 

Abaixo no Time do Ginásio Castro Alves

 

 

 

Abaixo no Time do Ginásio Castro Alves

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo o Time do Guarani de 1955, onde vemos em pé da esquerda para a direita:

Erasmo, Barleto, Edson, Milton, São Paulo e J.N.I.,

Agachados: Avis, Felipe, Alcides, Valdomiro e Salim

 

 

 

Abaixo o Time do Guarani

 

 

 

 

 

 

Abaixo José Felipe no Ferroviário de Cornélio Procópio

 

 

 


Jogava como ponta direita, e em sua estréia no ano de 1958, contra a equipe do Cambaraense da cidade de Cambará, já fez 3 gols e um deles de pênalty, em uma partida memorável do Comercial que atingiu o placar de 15 X 0.

Felipe em 2009 em Cornélio Procópio com 70 anos.

 

 

 

 

Abaixo a carteirinha de Felipe do E.C. Comercial com sua figurinha

 

 

 


Foi artilheiro por 3 anos seguidos no municipal de Cornélio Procópio, e teve como títulos vários no amador e participou da equipe de 1958 do Comercial, que foi Campeã do Norte do Paraná daquele ano.

 


Trabalhou com técnicos como: Dinho Cuqui, Raimundão, Reis, Américo e Amilcar.


Jogo inesquecível foi contra a Ourinhense, quando o técnico Américo do Comercial, após estar perdendo a partida por 4 X 0, o chamou para aquecer, pois estava na reserva, e disse para entrar para que esquentasse um pouco no jogo para tomar banho após o jogo. Entrou faltando 15 minutos para o fim do jogo e fez 4 gols, empatando a partida.

Aqui Felipe com a faixa de Campeão Amador pelo Tiro de Guerra em Cornélio Procópio em 1958

 

 

 

 

Aqui Felipe com a faixa de Campeão Amador pelo Tiro de Guerra em Cornélio Procópio em 1958, onde vemos o time assim:

Em pé da esquerda para a direita:Erasmo, Cirde, Salim, Aureo, Biná e Dinho,

Agachados: Caetano, Bira, Felipe, Aureo Caixote e Parra.

 

 

 

Abaixo outra foto do Felipe Campeão Amador pelo Tiro de Guerra em Cornélio Procópio em 1958

 

 

 

 

 

 

Aqui Felipe no Amador do Esporte Clube Comercial de Cornélio Procópio

 

 

 

 

Abaixo jogadores do Amador do Esporte Clube Comercial de Cornélio Procópio de 1956, onde vemos em pé: Romano, Salim, Cici, Tuta, Gabiaia e Mario Catuci,

Agachados: Silvinho, Felipe, Gozalan, Cido e Bugre

 

 

 

Abaixo Mazola e Felipe

 

 

 

Abaixo jogadores do Esporte Clube Comercial em Cornélio Procópio, onde vemos em pé: Joãozinho, Nelsinho, Felipe, Silvinho, Cabeção; Agachados: Miguelão, Bocage, Chuvisco e Rui.

Foto= arquivo Marcelo Dieguez

 

 

 

 


Jogo para ser esquecido foi contra o Coritiba F.C. no extinto Estádio José Andrade Vieira em Cornélio Procópio, onde se lamenta até hoje um gol perdido que poderia ter dado a vitória ao Comercial.

Esta é uma cópia do álbum de figurinhas Craks do Paraná do ano de 1959, sendo esta página do E.C. Comercial, onde aparecem: Gibi no gol, Dirceu Funari, Martins, Marinho, Mourão, Felipe, Baltazar, Onofre, Guará e Silvinho. A figurinha que falta provavelmente seria do Pedrinho.

 

 

 


Têm como ídolos: o Pelé, e os ex-companheiros do Comercial, o Garoto e o Silvinho.


Sua estréia na A.A. de Astorga foi contra a equipe do Londrina FR., onde guarda até hoje o cartaz do anúncio deste jogo, citando o nome de Felipe, vindo do Comercial de Cornélio Procópio.


Uma história engraçada para contar, veio de um jogo pela A.A. de Astorga contra a Portuguesinha de Londrina, onde o árbitro enganado com seu relógio encerrou a partida faltando 6 minutos antes do tempo regulamentar.

E após reconhecer seu erro e as equipes já no vestiário, voltou atrás na decisão e reiniciou a partida, e Felipe que havia feito 2 gols acabou fazendo mais um gol e logo foi encerrado realmente a partida, e este foi seu gol mais importante.


Fez muitos gols, mas não se lembra quantos foram, no profissional deve ter feito uns 60 gols, e seu gol mais bonito foi ainda no amador jogando pelo Colégio Castro Alves nos jogos estudantis contra um Colégio de Curitiba, onde no último minuto da partida fez um gol de falta com a perna esquerda, e esse gol deu a classificação de sua equipe para a fase final do campeonato.

Abaixo Felipe no Time do Banco Itaú

 

 

 


Felipe tem muitos amigos em Cornélio e fez muitos quando jogava e até hoje tem contato com eles.

 

 

Abaixo no Country Club de Cornélio Procópio, vemos os amigos Silvinho, Miguelão e Felipe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Do Astorga ele guarda a lembrança somente o Jornal de sua estréia contra o Londrina:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Felipe concedeu entrevista exclusiva para Marcelo Dieguez onde contou sua história, vejam:

Parte 1.

 

 

 

 

Parte 2

 

 

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez


Fonte de Pesquisa:

entrevista exclusiva de Felipe para Marcelo Dieguez em 2009,

fotos do acervo do jogador Felipe

 

 

 

 


Felipe me recebeu em sua casa para esta entrevista, e me mostrou suas medalhas e fotos e também um álbum de figurinhas de 1959, onde ele está presente no time do Comercial de Cornélio Procópio.

Marcelo Dieguez e o amigo Felipe em 2009.

 

 

"Felipe, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".

 

Obrigado Felipe e um abraço do amigo Marcelo Dieguez.