CLÁUDIO, ex-zagueiro do Fluminense-RJ, CAMA-PR, União Atlética Tibagiana-PR, Britânia-PR e Água Verde-PR.


Cláudio Ribeiro nasceu na cidade de Tibagi no Estado do Paraná no dia 22 de setembro de 1925.


Filho de José Ribeiro Pinto e de Alfredina Barbosa Ribeiro.

 

Iniciou suas atividades com a bola ainda adolescente no UTA, União Atlética Tibagiana.

 

 

 

Antes mesmo de se alistar e servir ao Exército, jogou no time amador da Klabin, o CAMA de Telêmaco Borba.

 

Depois da temporada no serviço militar, com maior condicionamento físico, Cláudio integrou a zaga na equipe do União de Ponta Grossa e acabou descoberto pelo Britânia de Curitiba, onde jogou por alguns anos.

 

 

 

 

Finalmente, o atleta ganhou posto oficial no Fluminense do Rio de Janeiro na década de 1940.

 

 

“Foi um grande homem, um bom pai, trabalhador e para a gente é um orgulho lembrar que meu irmão foi jogador profissional”, diz Maria Eloisa Salete Ribeiro.

 

 

Sua história com a bola, segundo Eloisa, ainda reservou outras passagens pelos times Britânia e Água Verde que mais tarde se uniram e formaram o Esporte Clube Pinheiros – hoje Paraná Clube.

 

 

As lesões que costumam tirar os profissionais das quatro linhas também foram o motivo da separação do zagueiro e o futebol.

 

Ele fraturou o braço em uma partida e parou de jogar profissionalmente.

 

 

 

Trabalhou na Klabin, mais tarde no Departamento Nacional de Estradas e Rodovias (DNER) e sua última morada foi em Mafra, Santa Catarina.

 

 

“Ele gostava muito de futebol e mesmo depois que deixou a carreira, costumava jogar como amador ou promover as partidas lá onde morava”, revela a irmã.

 

 

Cláudio morreu em 24 de novembro de 1980.

 

 

Casado com Uricena Barbosa, deixou três filhos: Neusa Maria, Cleusa Aparecida e Luiz Cláudio.

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez

 

 

Fonte de pesquisa:

www.tibagi.pr.gov.br

Texto: Emanoelle Wisnievski 
Colaboração: Maria Eloisa Salete Ribeiro e Neri Aparecido Assunção
Imagens: Christian Camargo

 

 

 

Cláudio Ribeiro

 

 

 

"Cláudio, você faz parte da história do futebol, e eu Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".