Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

FABIANO ELLER, zagueiro do Brasil de Pelotas-RS, ex-São José-RS, Al Ahli-Qatar, Internacional-RS, Santos FC-SP, Trabzonospor-Turquia, Atlético de Madri-Espanha, Fluminense FC-RJ, Al Wakra-Qatar, Flamengo-RJ, Palmeiras-SP, Vasco da Gama-RJ.

Fabiano Eller dos Santos, o Fabiano Eller nasceu no dia 19 de novembro de 1977 na cidade de Linhares no Estado do Espírito Santo.

 Foto= arquivo www.historiadordofutebol.com.br

 

 

Fabiano Eller começou a praticar futebol nas categorias juvenis do Linhares, time de sua cidade natal, no Espírito Santo.

 

Em 1996, profissionalizou-se pelo Vasco da Gama, onde começou a se destacar nacionalmente.

Esteve presente nas conquistas de dois Campeonatos Brasileiros e de uma Taça Libertadores da América, além de um Campeonato Carioca, um Torneio Rio-São Paulo e uma Copa Mercosul para a equipe vascaína.

 

Nesta época, o jogador atuava como volante.

Posteriormente, teve uma passagem menos brilhante pelo Palmeiras.

 

 

 

Em 2003, foi jogar no Flamengo, assinando contrato, inicilamente, de apenas oito meses, ou até o fim do Campeonato Brasileiro daquele ano.

 

O que não imaginava nem o mais otimista dos rubro-negros, é que Eller fosse se tornar um dos expoentes daquele time, em virtude de uma improvisação.

 

Em partida válida pela semifinal da Copa do Brasil, contra o Sport, o então técnico Nelsinho perdeu André Bahia, suspenso, e decidiu improvisar Fabiano Eller na zaga, ao lado do já experiente zagueiro Váldson.

 

Naquela partida, o jogador, que entrou desacreditado, teve uma excepcional atuação, com destaque para uma incrível arrancada do meio de campo até a zaga, quando evitou um gol praticamente feito pelo rival pernambucano, e garantiu o Fla na final do certame.

 

 

 

 

As incríveis atuações e a negativa diante da pedida de reforços por Nelsinho, somada a posterior manutenção da posição pelos seus sucessores, os irmãos, Oswaldo de Oliveira e Waldemar Lemos, além de Abel Braga, fizeram com que o futebol de Fabiano Eller crescesse exponencialmente e que o atleta se adaptasse definitivamente à nova posição e também ao novo clube, que aliás, já oferecia o carinho irrestrito da imensa torcida.

 

Abaixo o Flamengo Campeão da Taça Guanabara de 2004

Foto= www.flaestatistica.com

 

 

 

 

Foto= www.flaestatistica.com

 

 

 

 

Foto= www.flaestatistica.com

 

 

 

 

Ao final do ano, quando encerrava o contrato de Eller, este foi renovado por mais uma temporada e o jogador manteve-se na conquista do Campeonato Carioca 2004, além do vice-campeonato da Copa do Brasil do mesmo ano, competição onde aliás, tornou-se mais uma vez herói rubro-negro em uma semi-final, a diferença desta vez foi que, ao invés de evitar um gol, Eller marcou um tento e praticamente encaminhou o Mais Querido do Brasil à final do certame contra o Santo André.

Fabiano Eller e Marcelo Dieguez em 2004 no treino do Flamengo na Gávea antes do jogo contra o Vasco na Semi-Final da Taça Guanabara.

Foto= www.flaestatistica.com

 

 

Fabiano Eller fez 6 gols em 79 Jogos pelo Flamengo.

Na oportunidade do jogo decisivo contra o Vitória, Eller já admitia sair do Fla, uma vez que, diversos clubes do exterior o pretendiam, naquela partida, por exemplo, o treinador do Ankaraguku, da Turquia, havia feito questão de assistir pessoalmente á uma partida de Eller.

Apesar de o negócio com o futebol turco não ter evoluído, logo após o vexame do Mais Querido contra o Santo André, em pleno Maracanã, Fabiano Eller acertou sua saída do clube e rumou para o Al Wakra do Qatar.

Quando retornou ao Brasil, em 2005, passou a vestir a camisa do Fluminense, novamente comandado por Abel Braga.

 

 

 

 

Nas Laranjeiras, conquistou o terceiro Campeonato Carioca de sua carreira.

 

 

Fluminense em 2005 Fabiano Eller jogou pela Seleção Brasileira.

 

Jogando pelo Fluminense em 2005 Fabiano Eller jogou pela Seleção Brasileira.

Em pé: Ricardinho, Anderson, Fabiano Eller, Magrão e Marcos.

Agachados:Robinho, Carlos Alberto, Romário, Léo, J.N.I. e Mineiro

fabianoellernaselecao2005a

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Então, em meados de 2005, finalmente foi vendido para o futebol turco, só que ao invés do Ankaraguku, que o sondava nos tempos de Flamengo, o jogador foi negociado com o Trabzonspor.

 

A experiência no clube turco, no entanto, não foi muito bem-sucedida.

 

Em 2006, regressou ao seu país, por empréstimo, e defendeu o Internacional de Porto Alegre, quando novamente atravessou grande fase.

 

 

 

 

 

 

 

 

Conquistou mais uma Taça Libertadores da América para o seu currículo, que também recebeu uma adição de peso: o Mundial de Clubes da FIFA, ganho no Japão, contra o Barcelona.

 

 

 

 

A conquista do título mundial fez com que os grandes times do mundo voltassem novamente os olhos pra Eller, e a recompensa apareceu no início de 2007, quando o gigante espanhol Atlético de Madrid, decidiu contratar o atleta para as temporadas seguintes, a negociação entre o clube espanhol e o time turco do Trabzonspor girou em torno de € 1 milhão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 2008 depois de passar quase dois anos na Espanha, o jogador rescindiu amigavelmente seu contrato com o Atlético de Madrid, e decidiu apostar no projeto do Santos para a temporada 2008, mais do que isso, o contrato do jogador com o time de Pelé, representava um retorno ao seu país de origem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assim, Eller ficou por um ano no clube paulista, em 2009, porém, envolveu-se numa polêmica ao pedir a dispensa do Santos, sendo inclusive á época, cogitado para retornar ao Flamengo, que pouco antes havia perdido o ídolo Fábio Luciano.

 

 

 

 

 

 

 

 

Mas as negociações com o Mais Querido não evoluíram e em meados do ano, Eller acabou retornando a outro ex-clube, o Internacional de Porto Alegre.

 

 

 

No seu retorno a Porto Alegre apesar de ter experimentado o banco de reservas por algumas vezes, o experiente zagueiro faturou mais uma Taça Libertadores e escreveu de vez o seu nome na história do clube Colorado.

 

Se desligou do clube gaúcho em Agosto de 2010, transferindo-se para o Al-Ahli do Qatar, mas manteve-se no clube apenas até o ínicio de 2011.

 

Abaixo Fabiano Eller com sua coleção de camisas por onde jogou.

(Foto: Pedro Veríssimo / Globoesporte.com)

 

 

Fabiano Eller atuou em 2012 pelo Brasil de Pelotas-RS.

 

 

 

 

Histórico


1996-2001 Vasco 
2001-2002 Palmeiras 
2003-2004 Flamengo 
2004 Al Wakra-QAT 
2005 Fluminense 
2006 Trabzonospor-TUR 
2006-2007 Internacional 
2007 Atlético de Madrid 
2008-2009 Santos 
2009-2010 Internacional 
2010-2011 Al-Ahli

 

 

Títulos

 

Flamengo


Taça desafio 50 anos da Petrobras: 2003 
Taça Guanabara: 2004
Campeonato Carioca: 2004


Vasco da Gama

 

Campeonato Carioca: 1998

Taça Guanabara: 1998, 2000

Taça Rio: 1998, 1999

Campeonato Brasileiro: 1997, 2000

Torneio Rio-São Paulo: 1998

Taça Libertadores da América: 1998

Copa Mercosul: 2000


Fluminense

 

Campeonato Carioca: 2005

Taça Rio: 2005


Internacional

 

Taça Libertadores da América: 2006, 2010

Mundial de Clubes da FIFA: 2006

Prêmios Individuais

 

Melhor zagueiro do Campeonato Carioca de 2004 jogando pelo Flamengo;

Melhor zagueiro do Campeonato Carioca de 2005 jogando pelo Fluminense;

Melhor zagueiro do Campeonato Gaúcho de 2006 jogando pelo Internacional;


Melhor zagueiro do Campeonato Brasileiro: 2006

 

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez

Fonte de Pesquisa:

www.flamengo.com.br;

globoesporte.globo.com;

www.supervasco.com

 

 

 

Fabiano Eller e Marcelo Dieguez em 2004 no treino do Flamengo na Gávea antes do jogo contra o Vasco na Semi-Final da Taça Guanabara.

 Foto= arquivo www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

"Fabiano Eller, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".

 

Um abraço de seu amigo Marcelo Dieguez.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

FUTRICA, ex-ponta direita e centroavante do Operário de Laranjeiras do Sul-PR.

José Anacleto de Souza, o Futrica, nasceu no dia 27 de novembro de 1948 na cidade de Governador Valadares-MG.

 

 

 

Futrica jogava como ponta direita e centroavante

 

 

Abaixo Futrica em um time de Alto Piquiri no Paraná.

 

 

 

 

 

 

Sequência de times que jogou=Alto Piquiri 1965, Cianorte 1969, Cascavel 1971, Real de Beltrão 1971-1973, Operário Laranjeiras 1975-1980, Comercial de Laranjeiras 1980-1987 (8 Taças Paraná)

 

Abaixo Futrica já no Operário de Laranjeiras do Sul no Paraná.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vejam abaixo a Entrevista Exclusiva de Futrica para Marcelo Dieguez em 2014:

1-Nome completo e apelido=José Anacleto de Souza- Futrica

2-Data e local de nascimento=27 de novembro de 1948 na cidade de Governador Valadares-MG

3-Posição=ponta direita e centroavante

4-Onde e quando começou sua carreira=só amador

5-E como foi sua estréia=

6-Adversários que gostava de jogar=

7-Títulos=

8-Medalhas e troféus=

9-Jogos inesquecíveis=Finais

10-Jogo que poderia ser esquecido=

11-Ídolos=

12-Você fez muitos amigos no futebol=muitos

13-Tem contato com estes amigos=poucos

14-Técnicos que trabalharam contigo=
15-Alguma história engraçada=

16-Gol mais bonito=

19-Sequência de times que jogou=Alto Piquiri 1965, Cianorte 1969, Cascavel 1971, Real de Beltrão 1971-1973, Operário Laranjeiras 1975-1980, Comercial de Laranjeiras 1980-1987 (8 Taças Paraná)
20-Frase= "Futrica, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida”.
21-Mensagem para nosso site=

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez


Fonte de Pesquisa:

Entrevista Exclusiva de Futrica para O Historiador Marcelo Dieguez;

acervo www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 

 

 

 

"Futrica, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".

 

 

 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

EDU, ex-meio-campo do América-RJ, Vasco da Gama-RJ, Bahia-BA, Flamengo-RJ, Colorado-PR, Joinvile-SC, Brasília-DF, Campo Grande-RJ e Seleção Brasileira.


Eduardo Antunes Coimbra, o Edu nasceu no Rio de Janeiro (RJ), no dia 5 de fevereiro de 1947.


Corria uma lenda na rua Lucinda Barbosa, subúrbio de Quintino Bocaiúva, de que o futebol de Edu, o mais ilustre morador da rua, era tão grande que, um dia, iriam descobrir que ele não cabia na camisa do América, aonde começou a jogar no juvenil em 1960.

É o segundo maior artilheiro da história do clube com 212 gols.

Edu no treino coletivo no América

Abaixo o América-RJ de 1968

Em pé: Rosan, Alex, Badeco, Aldeci, Leon e Djair

Agachados: Bataglia, Almir, Edu, Tadeu e Gilson Porto

Edu no América em 1970

Edu no América em 1971

Edu no América onde recebeu o Prêmio Bola de Prata em 1971

Abaixo o Time do América-RJ de 1973

Aqui Edu no América-RJ em 1973

Aqui ainda em 1973, vemos Edu, a esposa Sueli e a filha Kátia


Foi o artilheiro do Torneio Roberto Gomes Pedrosa em 1969, e campeão da Taça Guanabara em 1974, ambos pelo América, seu time do coração.

Aqui Zico e o irmão Edu, onde Zico entregaria a Faixa de Campeão da Taça Guanabara para Edu do América.


Com a Seleção Brasileira, Edu foi campeão da Taça Rio Branco, em 1967.

Nunca teve muita chance de jogar no time canarinho porque o dono da camisa 10 era simplesmente Pelé.


Em 1975 Edu foi emprestado ao Vasco numa transação que pegou a torcida do América de surpresa, já que tratava-se de seu maior ídolo.

Mas a transferência foi compensadora, ganhava 8 mil cruzeiros no América, e passou a ganhar 12 mil no Vasco.


Ao fim do empréstimo, Edu transferiu-se para o Bahia, aonde seria campeão baiano em 1975.

Nessa época fazia Educação Fìsica, no Rio de Janeiro, e como não queria perder o curso, viajava constantemente para o Rio de Janeiro, o que chateou o técnico Orlando Fantoni, que o colocou na reserva.

Edu só voltaria à condição de titular no final do Campeonato Brasileiro daquele ano.


Em 1976 o Flamengo reuniu 2 irmãos Coimbra em sua equipe, Edu e Zico.

Abaixo os irmãos Antunes Coimbra

Pela forte concorrência nas vagas de meio de campo, Edu não teve muitas chances de atuar pelo clube da Gávea.


Foi então vendido ao Colorado, de Curitiba, ainda em 1976.

Aqui Edu no Colorado em 1977

Foi artilheiro do campeonato paranaense em 1976 e 1978.

Aqui Edu no Colorado em 1977

Edu quando jogava no Colorado. Foto raríssima!
Ele e a família no Passeio Público, em Curitiba.


Edu ainda jogaria em 1978 pelo Joinville.

Depois em 1979 jogou pelo Brasília.

E depois foi jogar pelo Campo Grande, em 1980 e 1981, quando encerrou sua carreira de jogador profissional.


Em 1982 iniciou sua carreira como técnico em seu clube amado, o América.


Em 1984 comandou a Seleção Brasileira em 3 partidas:


- 10 de junho de 1984, Brasil 0x2 Inglaterra 
- 17 de junho de 1984, Brasil 0x0 Argentina 
- 21 de junho de 1984, Brasil 1x0 Uruguai

Aqui Edu quando foi Técnico da Seleção Brasileira em 1984

Aqui Edu foi Campeão Catarinense em 1987 como Técnico do Joinvile

Aqui Edu quando foi Técnico do Coritiba em 1989


Em 2001 Edu lançou um livro chamado Método Sensorial no Futebol Da Infância à Fase Adulta, aonde coloca toda a sua experiência como jogador, técnico e professor de futebol para a formação integral, nos aspectos físico e mental, de novos craques da bola.

 

 

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez

Fonte de Pesquisa:

Historiador Luiz Fernando Evaristo

 

 

 

 

 

Aqui Edu em 2008

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Edu, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".

 

Um abraço de seu amigo Marcelo Dieguez.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

ELÓY OU ELÓI, ex-atacante do Comercial de Ribeirão Preto-SP, Flamengo-RJ, Botafogo-RJ, Medicina E Cirurgia-RJ, Seleção Acadêmica Nacional e Seleção Brasileira.

Eloy Esteves, o Elóy ou Elói, nasceu no ano de 1907 na cidade de Ribeirão Preto no Estado de São Paulo.

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

Começou a carreira no Comercial de Ribeirão Preto.

eloiestevesnocomercialderibeiraopreto1928

 

 

Eloy era de família humilde, mas batalhadora. 

Seu pai era funcionário do setor de limpeza pública da Prefeitura da cidade de Ribeirão Preto.

Sua mãe vendia as mangas de seu quintal para ajudar no sustento da família.

E depois o pessoal da cidade dizia com orgulho: "Olha lá o lixeiro, pai do futebolista que foi jogar futebol no Flamengo e estudar Medicina no Rio de Janeiro". 

 

 

Gol pelo Commercial F. C. de Ribeirão Preto

 

Campeonato Paulista de 1928 – APEA (Associação Paulista de Esportes Athleticos) – Palestra Italia 1 x 1 Commercial F.C. (Ribeirão Preto)

 

Partida realizada na data de 1º de julho de 1928, no Parque da Antarctica Paulista.

palestraitaliaxcomercialRP1928

 

 

Abaixo o Comercial de Ribeirão Preto de 1928, onde Eloy aparece em pé sendo o segundo da esquerda para a direita.

eloinocomercialderibeiraopreto1928a

 

 

 

 

 

Juiz: Alzemiro Ballio.

Gols: Perillo (PI) e Eloy (CFC).

Palestra Italia: Rabello, Bianco e Copaiolo. Angelino, Ghillo e Serafim. Ministrinho, Miguel, Heitor, Lara e Perillo.

Commercial: Jota, Cativeiro e Italiano. Domingos, Mello e Carlos. Zizinho, Maia, Eloy, Vespu e Marinho.

Fontes: jornal “Correio Paulistano” e o livro “O Caminho da Bola” de Rubens Ribeiro.

 

 Grande feito do Commercial foi ter vencido o Peñarol em 1928, e Elóy aparece no centro.

eloyestevesnoflamengo121

 

 

 

 

Depois foi para o Rio de Janeiro jogar no Flamengo e fazer Medicina.

eloyestevesflamengo100

 

Elói
Nome: Elói Esteves
Data de Nascimento:
Local de Nascimento: Ribeirão Preto/SP
Posição: Atacante
Jogos: 51
Primeiro jogo: 16/05/1929
Último jogo: 21/11/1932
Vitórias: 23
Empates: 4
Derrotas: 24
Gols: 14

 

PRIMEIRO JOGO PELO FLAMENGO

16/05/1929 Flamengo 2 X 1 Vasco(RJ) São Januário/Rio de Janeiro/RJ Amistoso Nacional de 1929

 eloiflamengo7x2vitoriadabahia1932a

 

PRIMEIRO GOL PELO FLAMENGO

 

Data: 26/05/1929
Partida: Flamengo 1 X 4 Andarahy (RJ)
Local: Barão de São Francisco/Rio de Janeiro/RJ
Competição: Campeonato Estadual de 1929
Escalação Flamengo: 

Egberto, Hermínio, Segretto (Hélcio), Benevenuto, Rubens, Penha, Cristolino, Edson, Elói (Nonô), Angenor (Fragoso), Rochinha

Técnico: Joaquim Guimarães foto
Raphael Candiota foto

Gols: Elói

 

eloyestevesflamengo101a

 

 

 

 

Abaixo Elóy aparece cabeceando a bola em jogada do Flamengo

eloyestevesnoflamengo120a

 

 

 

Abaixo o time do Flamengo, onde Elóy aparece em pé, sendo o sétimo da esquerda para a direita

eloyestevesnoflamengo120b

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo o Flamengo de 1929, onde vemos Elói em pé, sendo o terceiro da direita para a esquerda, reconhecemos também Flávio Costa e Pinheiro agachados

 

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 

Títulos conquistados em 1929

 

Troféu Palestra Itália (SP) de 1929
Troféu Prefeito Chistiano Machado de 1929

 

 

Abaixo o Flamengo no Torneio Início do Campeonato Carioca de 1930.

Elói aparece em pé, sendo o segundo da esquerda para a direita.

eloyestevesflamengo1930

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo o Flamengo Vice-Campeão Carioca de 1932.

Aqui uma página inteira da Revista Vida Doméstica do Rio de Janeiro do mês de dezembro de 1932, onde vemos as fotos de todos os jogadores e também o diretor do futebol Milton Caldas, que conquistaram o Vice-Campeonato Carioca do ano de 1932.

Primeira fila: Fernandinho, Flávio Costa, Bibi, e Milton Caldas (Diretor do Futebol)

Segunda fila: Luciano, Almeida, Adelino, Rubens,

Terceira fila: Vicentino, Darci, Nelson e Cássio.

Quarta fila: Elóy, Moisés, Alberto e Marcondes.

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

EXCURSÃO PARA A BAHIA EM 1932

Terminado o Campeonato Carioca, a diretoria levou o Flamengo para uma excursão a Bahia.

O Flamengo realiza uma viagem a Bahia, conquistando o Troféu Temporada Inter Estadual Flamengo x Vitória, derrotando o time baiano por 7 x 2, a Taça Companhia Aliança da Bahia derrotando o Ipiranga por 1 x 0, o Troféu Flamengo x Bahia ao derrotar este clube por 3 x 2 e a Taça Interventor Federal da Bahia ao derrotar a Seleção da Bahia por 3 x 1. Também derrotou o Botafogo baiano por 4 x 1. Houve apenas uma derrota, por 3 x 2 para o Ipiranga, na inauguração do estádio de Brotas (BA).

Os outros jogos foram FLA 7 X 2 VITÓRIA (BA), FLA 4 X 1 BOTAFOGO(BA), FLA 3 X 2 BAHIA, E FLA 2 X 3 IPIRANGA, a única derrota do Flamengo em 15 dias na terra de todos os Santos.

 

 

Abaixo os times do Flamengo e Vitória da Bahia, onde o Flamengo triunfou por 7x2

flamengo7x2vitoriadabahia1932

 

 

 

Aqui no baile que o S.C. Vitória ofereceu ao Flamengo, onde Fernandinho aparece, sendo o terceiro da esquerda para a direita

fernandinhonabahiapeloflamengo2

 

 

 ÚLTIMO JOGO E ÚLTIMO GOL PELO FLAMENGO

 

eloiflamengo7x2vitoriadabahia1932

 

Data: 21/11/1932
Partida: Flamengo 2 X 3 Ypiranga(BA)
Local: Brotas/Salvador/BA
Competição: Amistoso Nacional de 1932
Escalação Flamengo: Floriano, Moysés, Aristeu, Rubens, Faia, Luciano, Adilson, Flávio Costa , Elói, Marcondes e Cassio

Técnico: Milton Caldas

Gols: Flávio Costa, Elói

Obs.: Este jogo marcou a inauguração do estádio de Brotas em Salvador (BA)

 

 

Títulos conquistados em 1932

 

Taça Companhia Aliança da Bahia (BA) de 1932
Taça Fidalga de 1932
Taça Interventor Federal da Bahia (BA) de 1932
Troféu Flamengo x Bahia de 1932
Troféu Temporada Inter Estadual Flamengo x Vitória-BA de 1932

 

 

 

 

Campeonato Acadêmico de Futebol 

 

Aqui outro momento Histórico para Elói, o Campeonato Acadêmico de Futebol de 1932, 1933 Excursão a Uruguay e Argentina, e 1934 o BiCampeonato  Campeonato Acadêmico de Futebol, jogando pela Medicina e Cirurgia.

 

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

Em 1932 houve um Campeonato Acadêmico no Rio de Janeiro para estudantes universitários do Rio, Fernandinho que estudava Medicina na mesma Universidade que Cássio, Elói e também Duval Ernani de Paula (avô de Marcelo Dieguez).

Eram amigos do avô de Marcelo Dieguez, que era Vice-Presidente do Diretório Acadêmico da Escola de Medicina e Cirurgia do IHB e Vice-Diretor do Departamento de Esportes do Diretório Central de Estudantes.

Abaixo o time da Medicina E Cirurgia, onde vemos da esquerda para a direita: Fernandinho, J.N.I., J.N.I., J.N.I., Almir (Botafogo), J.N.I., J.N.I., J.N.I., J.N.I., Elóy ( Flamengo), Cássio (Flamengo), J.N.I. e De Mori (Fluminense).

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 

Este Campeonato chamado de Campeonato Acadêmico, foi um marco histórico, pois era a primeira vez que 8 Escolas Superiores se empenhavam na conquista de títulos em várias modalidades esportivas, e em especial o campeonato de futebol que era patrocinado pelo Jornal dos Sports.

As Escolas que tinham vários jogadores dos Clubes do Rio, contaram com a cooperação dos times para que seus jogadores disputassem este Campeonato. No time da Medicina e Cirurgia, que era o time do avô de Marcelo Dieguez e de Fernandinho, Cássio e Elói, também tinha o de Mori (FLU), Almir (BOTAFOGO), Cícero (VASCO), Visquini (Canto do Rio), além de muitos outros.

Na outra Medicina atuavam Adelino e Vicentino do Flamengo, Carvalho Leite (Botafogo), Victor (Botafogo), e muitos outros.


As outras equipes também contavam com muitos outros craques, mas esta história completa faremos em uma sessão especial.


No dia 26/10/1932, a Medicina de Fernandinho e meu avô sagrou-se Campeã invicta diante da final contra a Escola de Direito, que jogavam Caldeira (Bonsucesso) e Álvaro (Botafogo).

Abaixo Foto do Jornal dos Sports do dia 27/10/1932 com a Medicina E Cirurgia Campã Invicta do Campeonato Acadêmico do Rio de Janeiro.

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 

Este jogo foi realizado no Campo do Botafogo e terminou em Medicina 3 X 1 Direito, com gols de Macedo para Direito, e Moacyr cobrando falta empatou para a Medicina ainda no primeiro tempo, e no segundo tempo Almir fez o segundo da Medicina servindo-se de passe de Cássio, e Elói fez o terceiro gol da Medicina decretando o título invicto.

Abaixo Foto do Jornal A Noite do dia 27/10/1932 com a Equipe da Medicina E Cirurgia Campeã do Campeonato Acadêmico de 1932 do Rio de Janeiro, são as mesmas fotos da Medicina, mas colocadas de modo diferente pelos 2 jornais da época.

 

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 

 

Foto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 


Após este jogo no dia 29/10/1932, houve um jogo do Flamengo contra a Seleção Acadêmica do Rio de Janeiro no Estádio das Laranjeiras.

Neste jogo Fernandinho, Elóy, Adelino, Vicentino e Cássio atuaram pelo Flamengo, e o Flamengo venceu por 2 X 0, com gols de Flávio Costa e Nelson.


O sucesso do Campeonato Acadêmico foi tão grande que o Jornal dos Sports resolveu patrocinar outro Campeonato Acadêmico, a ser realizado na Argentina e no Uruguai, na Bacia do Prata.

E o Sr. Tenório Albuquerque que era Diretor de Esportes do Jornal dos Sports, e que estava diretamente ligado no Campeonato convidou Duval Ernani de Paula, avô de Marcelo Dieguez, para que fizesse parte da excursão para o exterior como Diretor do futebol, tendo ele aceitado prontamente.

E fizeram a Seleção Acadêmica juntando jogadores do Rio, São Paulo e Minas Gerais.

Fizeram vários amistosos preparatórios com grandes clubes como Fluminense, Flamengo, Combinado Fla-Flu, Vasco, Palestra Itália (MG), Nova Lima (MG), Santos, São Paulo e Corinthians.

 

Duval Ernani de Paula, avô de Marcelo Dieguez

 

 

 

 

Nestes 2 últimos jogos houve história especial, pois contra o São Paulo de Friedenreich que eram os vice-campeões de SP acabaram perdendo por 2 X 0, e Friedenreich saiu com uma fratura no Nariz após uma trombada com o zagueiro Nariz (Atlético Mineiro), que estava jogando pelos Acadêmicos.

E no jogo contra o Corínthians que era o Campeão Paulista, havia saído nos jornais que os Acadêmicos eram fracos, e então Duval Ernani de Paula teve papel importante, pois encontrou na banca de jornais a amiga e atriz Lia Torá, que era esposa do Diretor de futebol do Fluminense, e convidou-os para ir ao Hotel em que os Acadêmicos estavam e para assistir ao último jogo.

Duval Ernani de Paula disse a Nariz que trazia Lia Torá para ver ele jogar, pois diria que ele era um dos melhores zagueiros do Brasil.

Resultado Acadêmicos 4 X 1 Corínthians, em uma atuação soberba de Nariz e Vicentino do Flamengo fazendo os 4 gols dos Acadêmicos. No outro dia nos jornais diziam Nariz venceu o Corinthians.

Lia Torá e o marido convidaram os Acadêmicos para jantar no hotel em que a atriz se encontrava hospedada.


A viagem para a Argentina e Uruguai aconteceu em 1933, foram de navio levando muitos jogadores do Rio, São Paulo e Minas, e Lia Tora foi ser a madrinha do futebol e seu esposo foi o padrinho do futebol.

Foto=www.historiadordofutebol.com.brFoto=www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

A Seleção Acadêmica contava com jogadores como: Nariz (Atlético Mineiro),Luisinho (São Paulo), Ivan(Fluminense), Paulinho (Botafogo), Victor (goleiro Botafogo), Fernandinho, Elói, Cássio e Vicentino (todos do Flamengo), De Mori (Fluminense), e muitos craques estudantes, uma Seleção Brasileira Acadêmica.

 


Venceram algumas partidas e perderam outras, mas a experiência foi sensacional de jogar no exterior contra times profissionais, pois lá já estava em pleno funcionamento o regime profissional.

Abaixo a Seleção Universitária ou Seleccionado Academico que perdeu para o Santos por 2x1, como segue as 2 fotos na matéria do Jornal

Foto= www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 Foto= www.historiadordofutebol.com.br

 

 

Aqui o time do Santos em 1933

 Foto= www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

 

Abaixo outra foto da Seleção Universitária ou Seleccionado Acadêmico.

 

Elói aparece agachado, o primeiro da direita ao lado de Fernandinho.

 Foto= www.historiadordofutebol.com.br

 

 

Abaixo a Seleção Acadêmica Brasileira no jogo contra o San Lorenzo de Almagro da Argentina, e a escalação é a seguinte, em pé da esquerda para a direita: J.N.I., Luizinho, Almir, Nariz, J.N.I., J.N.I., J.N.I.(atrás), Cássio, J.N.I. (atrás), J.N.I., Fernandinho, J.N.I., J.N.I. e Sr. Tenório Albuquerque (Jornal dos Sports);

Sentados e agachados: J.N.I., J.N.I., J.N.I., mascotinho, Vicentino, Victor e Elóy.

Foto= www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

A dúvida de Eloy era ser profissional ou seguir como amador.

Enquanto isso, também continuava se destacando nos campeonatos acadêmicos de futebol.

Foi em um desses campeonatos que conheceu Carvalho Leite, ídolo do Botafogo, que também estudava Medicina e havia disputado o Mundial de 1930.

Carvalho o convenceu que no Botafogo daria tranquilamente para conciliar o futebol com a faculdade.

No início de 1933, Eloy Esteves se transferiu para o Botafogo, justamente quando houve, a criação de dois campeonatos cariocas, um organizado pela AMEA, a Associação Metropolitana de Esportes Athletics, e outro pela LCF, a Liga Carioca de Futebol.

Eloy jogaria pela AMEA, onde o futebol era amador.

 

 

 BOTAFOGO

 

Em 1933 Elóy vai para o Botafogo.

Já no primeiro ano conquista o Campeonato Carioca de 1933 amador pela AMEA.

 

O Botafogo conquistou o seu 6º título de campeão carioca em 1933, tornando-se bicampeão da cidade do Rio de Janeiro.
 
Abaixo o primeiro jogo de Eloy pelo Botafogo:
Botafogo 1x1 Confiança
» Gols: Carvalho Leite (pen.) (Botafogo); Caio (Confiança)
» Competição: Campeonato Carioca (AMEA)
» Data: 03.09.1933
» Local: General Severiano
» Árbitro: Waldomiro Liotti
» Botafogo: Victor, Rogério e Badu (Hermes); Affonso, Ariel e Pamplona; Cartolano, Moura Costa, Carvalho Leite, Eloi (Jaime) e Pirica.
» Confiança: Ruy, João e Decio; Elias, Cesalpino e Altair; Byra, Lanade, Caio, Mangueira e Jucá.
Paulo Antônio Azeredo era o presidente do Botafogo; Nicolas Ladanyi era o técnico da equipa, apoiado por Victor Guisard, Nilo Murtinho Braga e Armindo Nobs Ferreira. Os artilheiros foram Nilo (19 gols), Carvalho Leite (13 gols), Cartolano (7 gols), Jayme (5 gols), Atilla (4 gols), Eloy (1 gol), Moura Costa (1 gol) e Pamplona (1 gol). Jogaram todos os jogos (18): Carvalho Leite, Jayme e Victor.
Classificação final:
1º BOTAFOGO, 28 pontos
2º Olaria, 23 pontos
3º Andarahy, 22 pontos
4º Engenho de Dentro, 19 pontos
5º Confiança, 19 pontos
O Botafogo obteve doze vitórias, quatro empates e duas derrotas, apresentando um saldo favorável de 51-27 gols.

 

 

1934: Botafogo tricampeão carioca de futebol

O Botafogo conquistou o seu 7º título de campeão carioca em 1934, tornando-se tricampeão da cidade do Rio de Janeiro. Eis a campanha:

Botafogo 4x4 River
» Gols: Beijinho (3) e Carvalho Leite (Botafogo); Luiz (2) e Canedo (2) (River)
» Competição: Campeonato Carioca
» Data: 15.04.1934
» Local: Rua João Pinheiro
» Árbitro: Waldemar Gomes
» Botafogo: Pedrosa, Albino e Pamplona; Afonso, Rogério e Ariel; Eloy (Átila), Beijinho, Carvalho Leite, Jaime e Moura Costa. Técnico: Nicolas Ladanyi.
» River; Jaguaré, Bolão e Palmeira; Malaquias, Tosta e Fidalgo; Canedo, Manuel, Ivo, Luiz e Nelinho.

 

 

 

 

Em 1934 Conquista o Bi-Campeonato Acadêmico do Rio de Janeiro pela Medicina e Cirurgia.

 

Campeonato Academico de 1934

Bicampeão pela Medicina e Cirurgia em 1934

Abaixo, após o treinador Elói aparece em pé, o segundo jogador da esquerda para a direita, e os goleiros são o Amado de camisa preta e Fernandinho de camisa branca.

Fernandinho no gol da Medicina e Cirurgia, contra Amado no gol da Faculdade de Direito

fernandinhomedicinaecirurgia2x2direito1934jornaldossports1

 

 

O time da Medicina E Cirurgia, Bi-Campeão Academico

fernandinhobicampeaoacademicomedicinaecirurgia1934

 

 Em 1935, Eloy se formou em Medicina e arrumou o primeiro emprego no Ministério de Viação e Obras Públicas, dando plantões no antigo aeroporto do Galvão. Já não era mais titular do Botafogo.

Perderia a posição para Áttila, mas fez parte do elenco que fechou um ciclo de ouro do Glorioso: campeões estaduais indiscutíveis entre 1932 e 1935. 

Encerra a carreira em 1937, coincidentemente quando houve a reunificação das duas ligas cariocas existentes. 

 

Eloy jogou o quanto pode, mas sempre por puro prazer. Em 1938, já em fim de carreira com 31 anos, ele  não hesitou em participar de um jogo confraternização entre a Seleção dos médicos cariocas e a Seleção dos médicos paulistas, jogo realizado no Parque Antártica, em São Paulo.

Os jornais noticiaram, que foi um jogo eletrizante com vitória para os cariocas por 4x3, entre eles Eloy Esteves.

 

Títulos conquistados

Flamengo 

Troféu Palestra Itália (SP) de 1929
Troféu Prefeito Chistiano Machado de 1929

Vice-Campeão Carioca de 1932

Taça Companhia Aliança da Bahia (BA) de 1932
Taça Fidalga de 1932
Taça Interventor Federal da Bahia (BA) de 1932
Troféu Flamengo x Bahia de 1932
Troféu Temporada Inter Estadual Flamengo x Vitória-BA de 1932

 

Botafogo 

Campeão Carioca de 1933
Campeão Carioca de 1934

Campeão Carioca de 1935

 

 Acadêmico

Campeão pela Medicina E Cirurgia em 1932,

Bi-Campeão, Medicina E Cirurgia 1934

 

 

 

 

Após encerrar a carreira no futebol, foi exercer a profissão de médico.

 

Foi médico muito tempo no Rio de Janeiro.

 

Ficou conhecido por Dr. Esteves.

 

Abaixo Eloy nos tempos da Medicina

eloyestevesflamengo101c

 

 

Eloy organizou o Centro de Ribeirão Preto, um Casarão na Rua Alvaro Alvim, centro do Rio de Janeiro. Um centro de encontro de atletas, estudantes, políticos, de todos recém-chegados de Ribeirão Preto.

Um lugar onde os ribeirão-pretanos podiam trocar idéias, ler jornais da terra distante, obter notícias.

 

Eloy faleceu no Rio de Janeiro em 1973, aos 66 anos, vítima de embolia cerebral.

Eloy era casado com Artemisa Madureira Esteves.

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez

 banner5

Fonte de Pesquisa:

 

acervo www.historiadordofutebol.com.br

Correio Paulistano,

Jornalista Geraldo Hasse

 

 

 

eloyestevesflamengo100

 

 

 

 

 

"Eloy, você faz parte da história do futebol, e eu Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".