Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Luto!!! Faleceu Waldir Peres o goleiro titular da Copa do Mundo de 1982

 

WALDIR PERES, ex-goleiro do Garça-SP, Ponte Preta-SP, São Paulo FC, América-RJ, Guarani-SP, Corínthians-SP, Portuguesa-SP, Santa Cruz-PE e Seleção Brasileira.

Waldir Peres Arruda, o Waldir Peres nasceu no dia 02 de janeiro de 1951 na cidade de Garça no Estado de São Paulo.

 

Começou sua carreira de goleiro jogando pelo Garça Futebol Clube com 16 anos.


Sua estréia foi no jogo contra a Ferroviária de Assis 4 x 4.

 

Foto raríssima de Waldir Peres no time do Garça, em 1969. O goleiro começava a carreira. Em pé: Ari Lima, Osmar Silvestre, Coquinho, Luizão, Waldir Peres e Dadi. Agachados: Jorginho, Rogério, Zé Carlos Coelho, Crisante e Mário Cézar. Crédito: site do Milton Neves.

 

 

 

Em 1969 a Ponte Preta conquistou o acesso para a primeira divisão de forma invicta. Em seu elenco a “macaca” já contava com os ótimos goleiros Piveti e Wilson Quiqueto. Mesmo assim, um amistoso disputado em Araraquara mudou o curso da história.

 

O Garça vencia a Ferroviária no Estádio da Fonte Luminosa pela contagem mínima. Apesar dos esforços da ótima linha de ataque do time grená, a bola sempre parava nas mãos do goleiro Waldir Peres, que fechava o gol com defesas incríveis.

 

O olheiro “ponte pretano” Ilzo Nery, que assistia à partida, ficou impressionado com o que viu e não teve mais dúvidas. Pouco tempo depois, em junho de 1970, o jovem goleiro já estava à disposição no Moisés Lucarelli.

 

Depois foi jogar na Ponte Preta.

 

 

 

 

Pôster da Ponte Preta em 1973. Em pé: Waldir Peres, Galli, Araújo, Chicão, Marinho e Geraldo. Agachados: Paulinho, Pedro Paulo, Adílton, Serginho e Tuta. Crédito: revista Placar.

 

 

 

Graças aos trabalhos técnicos e físicos junto a comissão técnica e ao técnico Cilinho, Waldir começou a ser aproveitado na equipe de aspirantes.

 

Depois, com a saída de Wilson para o Santos F.C, Waldir conquistou a vaga de titular. O goleiro permaneceu em Campinas até 1973, ano em que foi negociado com o São Paulo F.C.

 

Depois foi jogar no São Paulo

 

 

 

No São Paulo, o dono da posição era o ótimo Sérgio Valentim e o tricolor contava ainda com o jovem talento Pascoalim.

 

Waldir foi aos poucos ganhando a confiança do técnico José Poy e a partir do ano seguinte atuou em várias partidas até ser definitivamente efetivado como titular.

 

No mesmo ano de 1974, graças as ótimas atuações, Waldir foi convocado as pressas para a Seleção Brasileira para a disputa da Copa do Mundo devido a uma contusão do goleiro Wendell. 

 

Arrumou rapidamente suas coisas e partiu para a concentração da Floresta Negra na Alemanha. Durante o mundial Waldir não chegou a atuar.

 

O ano de 1975 também foi especial na carreira de Waldir. Eleito com a Bola de Ouro da revista Placar, voltou à Seleção Brasileira para a disputa da Copa América. Atuou na partida semifinal contra a seleção Peruana.

 

Jogou pela Seleção Brasileira já em 1975 pela Copa América, como vemos na foto contra a Seleção Peruana.

 

Waldir Peres na partida contra o Peru pela Copa América de 1975. Crédito: revista Placar.

 

 

 

Ainda em 1975, conseguiu seu primeiro título paulista em uma final contra a Portuguesa de Desportos no Estádio do Morumbi.

 

A partida só foi decidida nos penais e Waldir Peres, depois de muita catimba e das constantes advertências do árbitro Dulcídio W. Boschilia, defendeu os chutes de Dicá e Tatá, garantindo assim a faixa de campeão daquele ano.

 

Waldir Peres defende penal contra a Portuguesa em 1975. Crédito: revista Placar.

 

 

 

 

 

 

 

 

SELEÇÃO PAULISTA Valdir Peres, Gilberto, Amaral, Paranhos, Nelsinho e Chicão; Terto, Leivinha, Geraldão, Pedro Rocha e Nei

 

 

 

 

Novamente em 1977, Waldir usou as cobranças de pênaltis e desestabilizou os nervos atleticanos em pleno Mineirão. Foi o herói daquela disputa que deu ao tricolor o seu primeiro título brasileiro.

 

Waldir foi convocado para a sua segunda Copa do Mundo no ano de 1978. Novamente não atuou em nenhuma partida.

 

Waldir Peres na disputa de pênaltis contra o Atlético Mineiro em 1977.

 

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo o São Paulo de 1978

 

 

 

 

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois da conquista do bi-campeonato paulista em 1980/81 e do vice-campeonato brasileiro do mesmo ano, Waldir voltou a ter seu nome lembrado para a Seleção Brasileira, que naquela época já contava com um treinador permanente que era Telê Santana.

 

Novamente os pênaltis pesaram a seu favor naquele mês de maio de 1981, em amistoso disputado pela Seleção Brasileira contra a Alemanha em Stuttgart.

 

Waldir Peres defendeu a cobrança chutada por Paul Breitner, que nunca havia desperdiçado um penal em toda a sua carreira. O árbitro mandou voltar à cobrança e novamente Waldir defendeu, garantindo a vitória canarinho por 2×1.

 

 

 

 

Na Copa do Mundo da Espanha em 1982, com a não convocação do goleiro Leão e a preferência de Telê Santana pela manutenção de Waldir Peres, a seleção disputou a partida de estréia contra os soviéticos.

 

O primeiro susto ocorreu após o chute longo do atacante Ball, que pegou Waldir de "surpresa" e abriu a contagem em Sevilla. Na segunda etapa com gols de Sócrates e Éder, o Brasil virou o jogo e largou bem na competição.

 

Jogou pela Seleção Brasileira atuando em 3 Copas do Mundo

Aqui a Seleção Brasileira na copa de 1982.
Em pé: Valdir Peres, Oscar, Leandro, Falcão,Luizinho e Júnior.

Agachados: Dirceu, Sócrates, Sérginho chulapa, Zico e Éder. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na foto vemos Paulo Sérgio esperando a vez no treino pela Seleção, onde vemos Waldir Peres.

 

 

 

 

Aqui a Seleção Brasileira que foi para a Copa de 1986.

 

 

 

 

Tudo ia bem até aquela tarde de 05 de julho de 1982 no Estádio Sarriá, na partida contra os italianos. Por três vezes, o atacante Paulo Rossi colocou a bola em nossas malhas (3×2) e acabou com o sonho do tetra-campeonato.

 

Waldir permaneceu no São Paulo até o ano de 1984, quando foi negociado com o América do Rio de Janeiro.

 

Depois da curta passagem pelo futebol carioca, o goleiro voltou para Campinas e foi defender o Guarani.

 

 

 

 

Em pé: o goleiro Valdir Peres, Wilson Gotardo, Giba e Júlio César. Agachados: Neto, Barbieri, Edmar, Evair e Gerson Sodré, antes da partida contra o São Paulo, pela semifinal do Campeonato Paulista de 1985

 

 

 

 

Corinthians.

Em 1987 Waldir Peres chegou ao Parque São Jorge.

 

Depois de uma campanha medíocre no primeiro turno do campeonato paulista, o timão reagiu, venceu o segundo turno e chegou para disputar o título contra o São Paulo.

 

Foi o vice-campeonato mais honroso da história do Timão. Com a camisa alvinegra, Waldir Peres atuou em 75 partidas e sofreu 65 gols (fonte: Almanaque do Corinthians – Celso Unzelte).

 

Corinthians.

 

 

 

 

Em 1988, Waldir deixou o Corinthians.

 

Teve passagens pelo Santa Cruz e pela Portuguesa de Desportos

 

Waldir Peres na Portuguesa de Desportos. Crédito: revista Placar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E depois foi jogar novamente na Ponte Preta, onde encerrou a carreira

 

 

 

 

Títulos


Campeão Paulista 75/80 e 81 – Brasileiro 77

 

Medalhas e troféus:


Vários Melhor Jogador do Brasil em 1975

 

 

 

 

Abaixo Paulo Sérgio, Waldir Peres e Carlos, goleiros da Seleção Brasileira

 

 

 

 

 

 

Vejam abaixo a Entrevista Exclusiva de Waldir Peres para Marcelo Dieguez em abril de 2014:

1-Nome completo=Waldir Peres Arruda

2-Data e local de nascimento:
Garça-SP 02/01/1951

3-Posição:
Goleiro

4-Onde e quando começou sua carreira:
Garça Futebol Clube aos 16 anos

5-E como foi sua estréia:
Jogo contra a Ferroviária de Assis 4 x 4

6-Adversários que gostava de jogar:
Todos - Todo jogo é importante

7-Títulos:
Campeão Paulista 75/80 e 81 – Brasileiro 77

8-Medalhas e troféus:
Vários Melhor Jogador do Brasil em 1975

9-Jogos inesquecíveis:
Todas as decisões e da seleção brasileira

10-Jogo que poderia ser esquecido:
Brasil x Alemanha

11-Ídolos:
Gilmar, Pele, Garrincha

12-Você fez muitos amigos no futebol:
Sim vários que tenho contato

13-Tem contato com estes amigos:
sim

14-Técnicos que trabalharam contigo:
Minelli, Tele, Coutinho, Zagalo, Poy

15-Alguma história engraçada:

16-Defesas importantes:
Defesas de pênaltis dos títulos e Brasil x Alemanha ( 2 pênaltis)

17-Seqüência de times que jogou:
Garça, Ponte Preta, São Paulo, America do Rio, Guarani, Corinthians, Portuguesa, Santa Cruz, Ponte Preta

18-Conte como foi a emoção de defender o Brasil na Copa do Mundo, ainda mais naquela geração:
È a melhor emoção de um atleta profissional – è o Top

19-Frase= "Waldir Peres, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".

20-Mensagem:
Estou feliz por lembrar de toda minha carreira no futebol.Lutei muito e disputei 3 copas do mundo em 74 – 78 e 82, como titular.
Agradeço muito

 

 

 

 

 

 

 

Waldir Peres morreu no dia 23/07/2017, em um domingo onde sofreu um infarto fulminante.

 

Esta perda aconteceu na cidade de Mogi Mirim, no interior paulista, ele passou mal depois do almoço com familiares, foi levado a uma farmácia e lá ele desmaiou.

 

 

Depois levaram ele para o hospital, mas infelizmente ele não resistiu. 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez


Fonte de Pesquisa:

acervo de www.historiadordofutebol.com.br,

Entrevista exclusiva com Waldir Peres,

acervo do jogador Waldir Peres

revista Placar,

revista Manchete Esportiva,

revista Veja,

placar.abril.com.br,

gazetaesportiva.net, 

esporte.uol.com.br,

robertoblogdo.blogspot.com.br, 

site do Milton Neves, 

esportes.r7.com,

futebolinterior.com.br,

albumefigurinhas.no.comunidades.net.

tardesdepacaembu.wordpress.com

www.diarioweb.com.br

www.futebolartpaper.com.br       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Waldir Peres, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".

 

Um abraço de seu amigo Marcelo Dieguez.